GramáticaNoções de Morfologia.

Tema 12: Noções de Morfologia. Substantivo próprio/comum; concreto/abstrato; simples/composto; primitivo/derivado; coletivo.

By 20 de janeiro de 2010 45 Comments

LIÇÕES DE PORTUGUÊS   –   ROTEIRO Nº 12

1 – TEMA: Noções de Morfologia. Classificação do substantivo: próprio/comum, concreto/abstrato, simples/composto, primitivo/derivado e coletivo.

2 – PRÉ-REQUISITO: Ler compreensivamente

3 – META: As atividades deste Roteiro foram organizadas com o objetivo de oferecer condições de compreensão sobre as características dos substantivos usados na Língua Portuguesa.

4 – PRÉ-AVALIAÇÃO: Se você já tem algum conhecimento a respeito do conteúdo deste Roteiro, responda à autoavaliação que se encontra no final deste livreto. Se você obtiver um mínimo de 80 pontos, parabéns! Você não precisa estudar esta lição. Caso contrário, aconselho-o a ler os textos, procurando entender as explicações dadas.

5 – ATIVIDADES DE ESTUDO: Ler com entendimento é fundamental para se aprender qualquer coisa através da leitura. Por isso, leia o texto do ANEXO A, para treinar sua interpretação. Embora a leitura dos anexos, em si, seja também interpretação de texto, ela é voltada para uma finalidade mais específica, que é a aprendizagem dos conceitos gramaticais. O texto do ANEXO A é mais genérico e serve de treinamento para a compreensão geral da língua. Portanto, faça o seguinte:

a) Tenha um dicionário de Português ao seu alcance, para consultá-lo sobre as palavras que você desconhece o significado.

b) Procure um lugar sossegado para ler os textos e fazer os exercícios. Leitura é uma atividade que necessita de concentração e ambiente adequado, sem barulho.

c) Leia primeiro o texto; faça, em seguida, os exercícios; compare suas respostas com o gabarito; veja o que errou e retorne ao texto para verificar o porquê do erro.

6 – PÓS-AVALIAÇÃO: Após realizar todas as atividades previstas e quando você tiver certeza de que aprendeu o conteúdo deste Roteiro, responda à autoavaliação. Você deverá obter, no mínimo, 80 pontos, para se considerar apto nesse assunto.

7 – ATIVIDADES SUPLEMENTARES: Se você não atingiu os padrões exigidos neste Roteiro, refaça a leitura e os exercícios até ter certeza de não haver mais dúvidas. Só então refaça a autoavaliação.

_______________________________________________________________________________________

ANEXO A – INTERPRETAÇÃO DE TEXTO

O texto que você vai ler é uma crônica de Carlos Drummond de Andrade, poeta e cronista mineiro, consagrado no Brasil e em todo o mundo. Sua obra está traduzida em várias línguas, entre elas o inglês, alemão e o espanhol. Seus trabalhos se destacam pela ternura, pelo senso de humor e pela qualidade da linguagem.

O texto está com seus parágrafos numerados para se localizar melhor as palavras e expressões utilizadas nos exercícios.

CASO DE CANÁRIO

Casara-se havia duas semanas. Por isso, em casa dos sogros, a família resolveu que ele é que daria cabo do canário:

– Você compreende. Nenhum de nós teria coragem de sacrificar o pobrezinho, que nos deu tanta alegria. Todos somos muito ligados a ele, seria uma barbaridade. Você é diferente, ainda não teve tempo de afeiçoar-se ao bichinho. Vai ver que nem reparou nele, durante o noivado.

Mas eu também tenho coração, era essa.Como é que vou matar um pássaro só porque o conheço há menos tempo do que vocês?

– Porque não tem cura, o médico já disse.Pensa que não tentamos tudo? É para ele não sofrer mais e não aumentar o nosso sofrimento. Seja bom, vá.

O sogro, a sogra apelaram no mesmo tom. Os olhos claros de sua mulher pediram-lhe com doçura:

– Vai, meu bem.

Com repugnância pela obra de misericórdia que ia praticar, ele aproximou-se da gaiola. O canário nem sequer abriu o olho. Jazia a um canto, arrepiado, morto-vivo. É, esse está mesmo na última lona e dói ver a lenta agonia de um ser tão precioso, que viveu para cantar.

– Primeiro me tragam um vidro de éter e algodão. Assim ele não sentirá o horror da coisa.

Embebeu de éter a bolinha de algodão, tirou o canário para fora com infinita delicadeza, aconchegou-o na palma da mão esquerda e, olhando para outro lado, aplicou-lhe a bolinha no bico. Sempre sem olhar para a vitima, deu-lhe uma torcida rápida e leve, com dois dedos no pescoço.

E saiu para a rua, pequenino por dentro, angustiado, achando a condição humana uma droga. As pessoas da casa não quiseram aproximar-se do cadáver. Coube à cozinheira recolher a gaiola, para que sua vista não despertasse saudade e remorso em ninguém.Não havendo jardim para sepultar o corpo, depositou-o na lata de lixo.

Chegou a hora de jantar, mas quem é que tinha fome naquela casa enlutada? O sacrificador, esse, ficara rodando por aí, e seu desejo seria não voltar para casa nem para dentro de si mesmo.

No dia seguinte, pela manhã, a cozinheira foi ajeitar a lata de lixo para o caminhão, e recebeu uma bicada voraz no dedo.

– Ui!

Não é que o canário tinha ressuscitado, perdão, reluzia vivinho da silva, com uma fome danada?

– Ele estava precisando mesmo era de éter – concluiu o estrangulador, que se sentiu ressuscitar, por sua vez.

______________________________________________________________________________

I. Assinale a alternativa correta para cada item.

1. A expressão: “… daria cabo do canário…” (par. 1) significa:

a.(   ) dar o canário a alguém

b.(   ) soltar o canário da gaiola

c.(   ) matar o canário

d.(   ) prender o canário na gaiola

2. Na frase: “Você ainda não teve tempo de afeiçoar-se ao bichinho” (par. 2), a palavra em destaque pode ser substituída por:

a.(   ) apegar-se

b.(   ) enfurecer-se

c.(   ) desencantar-se

d.(   ) preocupar-se

3. Na frase: “Com repugnância pela obra de misericórdia que ia praticar…” (par. 7), a palavra em destaque pode ser substituída por:

a.(   ) escrúpulo       b.(   ) tédio      c.(   ) ansiedade     d.(   ) raiva

4. Na frase: “O canário …. jazia a um canto…” (par. 7), a palavra em destaque pode ser substituída por:

a.(   ) cantava       b.(   ) arrepiava-se            c.(   ) estava deitado           d.(   ) saltitava

5. Na frase: “Tirou o canário com infinita delicadeza…” (par. 9), a palavra em destaque pode ser substituída por:

a.(   ) arrogante      b.(   ) enorme     c.(   ) desajeitado    d.(  ) espontânea

6. Nas frases abaixo, aparecem em destaque,  expressões da fala coloquial. Relacione as duas colunas, de acordo com o significado dessas expressões:

1. “…esse está mesmo na última lona…” (par. 7)

2. “…achando a condição humana uma droga…” (par. 10)

3. “O canário reluzia vivinho da silva…” (par. 14)

4. “ O canário estava com uma fome danada.” (par. 14)

a. (   ) uma coisa muito ruim

b. (   ) muito grande, fora do comum

c. (   ) no fim

d. (   ) vivo, sem nenhuma dúvida

II – Responda com base no texto.

7. Por que os sogros e a esposa escolheram o rapaz para sacrificar o canário? ______________________________________________________

8. O que o genro quis dizer com a frase: “Mas eu também tenho coração.”? (par. 3) ____________________________________________

9. Por que a família decidiu matar o canário de estimação? ______________________________________________________________

10. Por que o jovem marido considerou o sacrifício do canário como uma obra de misericórdia?

_______________________________________________________________________________

11. Como procedeu ele para matar o canário?

_______________________________________________________________________________

12. Transcreva do texto a frase que mostra o estado de espírito do personagem depois que executou o passarinho.

_________________________________________________________________________________

13. As expressões sepultar (par. 10) e enlutada (par. 11) referem-se normalmente à morte de pessoas. Por que o narrador as empregou referindo-se ao canário?

_________________________________________________________________________________

14. Como você entende a expressão “voltar para dentro de si mesmo” (par. 11)?

______________________________________________________________

15. Na crônica, não aparece o nome do personagem escolhido para matar o canário. Retire do texto as palavras empregadas para se referir a ele.

______________________________________________________________

16. Como se explica o fato de o canário estar vivo?

______________________________________________________________

17. Por que o personagem, no final, também se sentiu ressuscitado?

______________________________________________________________________________

18. Na crônica, o canário aparece em duas situações diferentes. Primeiro, ele está muito mal, semimorto. Depois, ele aparece curado, bem vivo. Transcreva as frases que mostrem o canário nessas duas situações.

1a. ___________________________________________________________

2a. ___________________________________________________________

x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-x-

GABARITO

1. c      2. A      3. A      4. C      5. B      6.  A(2)   b.(4)     c.(1)     d.(3)

7. Porque ele, sendo novo na família, ainda não tivera tempo de se apegar ao canário.

8. Ele quis dizer que também era sensível e que tinha pena do bichinho.

9. Porque o médico afirmara que ele estava muito doente, não tinha cura.

10. Porque seria um ato de caridade abreviar o sofrimento do canário.

11. Deu-lhe éter para cheirar e depois torceu-lhe de leve o pescoço.

12. “E saiu para a rua, pequenino por dentro, angustiado, achando a condição humana uma droga.”

13. O canário era como uma pessoa da família. Todos lhe queriam bem, como a uma criatura humana.

14. A expressão significa parar para pensar, para meditar.

15. As palavras usadas para se referir ao personagem são sacrificador e estrangulador.

16. Na verdade, o canário não tinha morrido. A torcida rápida e leve no pescoço não foi suficiente para matá-lo.

17. O personagem estava desolado com a morte do canário. Ao saber que ele estava vivo, sentiu grande alivio e felicidade.

18. 1a. – Jazia a um canto, arrepiado, morto-vivo. (par. 7)

2a. – Não é que o canário tinha ressuscitado, perdão, reluzia vivinho da silva com uma fome danada? (par. 14)

________________________________________________________________________________

ANEXO B – O SUBSTANTIVO

A palavra substantivo é derivada (já estudamos sobre derivação no Roteiro 08) de substância, que significa essência, matéria, fundamento. Tudo que possui existência real ou imaginária será classificado como substantivo. O substantivo indica o nome de objetos, pessoas, lugares, animais, sentimentos.

Ex.: cama, Maria, Roraima, cavalo, amor, sorriso.

Portanto: substantivo é a classe de palavra que designa todos os seres que possuem matéria, essência, fundamento.

Às vezes acontece de uma palavra, originariamente de outra classe, tomar a forma de um substantivo.

Ex.: 1. Um não é mais de difícil de ser aceito. (advérbio transformado em substantivo)

2. O sorrir quebra barreiras. (verbo transformado em substantivo)

3. O tímido, em geral, não fala muito. (adjetivo transformado em substantivo)

Nos exemplos dados acima, foi usado o artigo (um, o) na frente dessa palavras para que se transformassem em substantivos. Este é um dos muitos recursos existentes no português que torna a comunicação mais elegante.

Exercícios.

Sublinhe todos os substantivos existentes no texto abaixo:

Alonso foi para o quintal carregando uma bacia cheia de louça suja. Andava com dificuldade, tentando equilibrar a bacia que era demasiadamente pesada para seus bracinhos finos.

– Biruta, ei, Biruta! – chamou sem se voltar.

O cachorro saiu de dentro da garagem. Era pequenino e branco.

– Sente-se aí, Biruta, que vamos ter uma conversinha! – disse Alonso pousando a bacia ao lado do tanque. Em seguida ajoelhou-se, arregaçou as mangas da camisa grosseira e começou a lavar os pratos.

________________________________________________________________

GABARITO

Alonso foi para o quintal carregando uma bacia cheia de louça suja. Andava com dificuldade, tentando equilibrar a bacia que era demasiadamente pesada para seus bracinhos finos.

Biruta, ei, Biruta! – chamou sem se voltar.

O cachorro saiu de dentro da garagem. Era pequenino e branco.

– Sente-se aí, Biruta, que vamos ter uma conversinha! – disse Alonso pousando a bacia ao lado do tanque. Em seguida ajoelhou-se, arregaçou as mangas da camisa grosseira e começou a lavar os pratos.

__________________________________________________________________

ANEXO C   –   CLASSIFICAÇÃO DO SUBSTANTIVO

O substantivo é classificado em: próprio, comum, concreto, abstrato, simples, composto, primitivo, derivado e coletivo.

1. SUBSTANTIVO PRÓPRIO/COMUM

Ao designar ou nomear os seres, o substantivo se apresenta com algumas características que somente esta classe de palavras possui. E isto é o que vai identificá-la dentre todas as demais classes. Observe os exemplos:

  1. Um menino foi para o quintal.
  2. Alonso foi para o quintal.

As palavras em destaque são substantivos porque designam um ser, uma pessoa. Mas há um pequeno detalhe: na primeira frase, menino identifica um ser humano que ainda não é adulto e é um ser do sexo masculino. Na segunda frase, Alonso também indica um ser humano do sexo masculino. Mas não é um ser humano qualquer. É um menino que se chama Alonso. A diferença está em que a palavra menino identifica todos os seres humanos do sexo masculino que ainda não cresceram, não se tornaram homens na sua plenitude. Mas, dentre esses, existe um que se chama Alonso, que identifica determinado menino. Não é qualquer menino. É o menino Alonso.

Então, tanto menino quanto Alonso são substantivos porque designam um ser com essência, matéria. Mas menino será um substantivo comum porque designa seres da mesma espécie ou grupo; Alonso será um substantivo próprio porque designa um ser específico dentro do grande grupo ou seres da mesma espécie, isto é, de meninos.

Portanto:

Substantivo comum é aquele que designa ou dá nome a todos os seres da mesma espécie.

Substantivo próprio é aquele que designa apenas um ser da mesma espécie.

São substantivos próprios os nomes de:

  1. pessoas
  2. lugares
  3. jornais, revistas, títulos de livros
  4. clubes
  5. órgãos públicos e particulares
  6. lojas comerciais, bancos, igrejas, hospitais
  7. projetos, teorias, campanhas, instituições religiosas, culturais e assistenciais

Observação:

  1. Os substantivos próprios, por designarem nomes específicos dos seres devem ser escritos com letra inicial maiúscula.
  2. Um substantivo próprio torna-se comum quando designa mais seres que o tenham como referência, isto é, apresentem semelhanças ou características comuns.

Ex.: Judas traiu Jesus.  (Judas, substantivo próprio)         Aquele homem é um judas. (judas, substantivo comum)

Os charutos Havana são famosos por sua qualidade. (substantivo próprio)    Não fumo havana. (substantivo comum)

Vamos aos exercícios para fixar a noção de substantivo próprio e comum.

Separe, das frases abaixo, os substantivos próprios e os comuns, escrevendo-os no quadro.

  1. O motorista do ônibus era Antônio.
  2. O Jornal do Brasil deu a notícia do assalto.
  3. Os legumes caíram no chão.
  4. Benito, Iara e Marli já leram o texto em Recife.
  5. Era sempre festa quando o professor Celso chamava os sobrinhos e os netos para contar-lhes histórias.
  6. Cláudia, Helena, José e Joaquim atendiam ao avô, com muita alegria.
  7. Eles gostavam de ouvir as mesmas lendas: Saci Pererê, Negrinho do Pastoreio.
  8. As lendas de índios e as histórias fantásticas dos escravos trazidos da África eram as histórias preferidas.
Substantivos próprios Substantivos comuns

GABARITO

Substantivos próprios Substantivos comuns
Antonio, Jornal do Brasil, Benito, Iara, Marli,

Recife, Celso, Cláudia, Helena, José, Joaquim,

Saci Pererê, Negrinho do Pastoreio, África,


Motorista, ônibus, notícia, assalto, legumes, chão, texto, festa, professor, sobrinhos, netos, histórias, avô, alegria, lendas, índios, escravos,

___________________________________________________________________

2. SUBSTANTIVO CONCRETO/ABSTRATO

Leia com atenção as frases abaixo e sublinhe todos os substantivos que encontrar.

. Coruja e águia, depois de muita briga, resolveram fazer as pazes.

. A paz é fruto da justiça.

. Os passarinhos formam seus ninhos com palha e gravetos.

Você deve ter sublinhado: coruja, águia, briga, pazes, paz, fruto, justiça, passarinhos, ninhos, palhas, gravetos.

Alguns desses substantivos designam nomes de animais, objetos, lugares. Todos esses seres possuem existência própria, isto é, não precisam de outros seres para existirem. Por isto são chamados de substantivos concretos.

Ex: coruja, águia, fruto, passarinho, ninho, palha, gravetos

Há, também, substantivos que designam ações, estados, qualidades, sentimentos. Esses substantivos, entretanto, não tem existência própria, isto é, precisam de outros seres para existirem. Por isso são chamados de substantivos abstratos.

Ex: briga, pazes, paz, justiça, luz, vaidade, amor.

Concluímos que:

Substantivo concreto – é aquele que designa seres que têm existência própria.

Substantivo abstrato – é aquele que designa seres que não têm existência própria.

Os substantivos abstratos podem ser formados a partir de verbos ou adjetivos.

Ex: Ele precisa concentrar-se. (verbo)         Ele precisa de concentração. (substantivo abstrato)

Todos percebiam que ele estava triste. (adjetivo)           Todos percebiam a tristeza dele. (substantivo abstrato)

Vamos aos exercícios.

1. Identifique os substantivos existentes nas frases e classifique-os em próprios ou comuns, concretos ou abstratos:

a) Alberto é engenheiro e ele construiu uma barragem na represa.

b) A saudade, a alegria, a tristeza e o medo são emoções.

c) Mário examinou o telhado e substituiu as telhas quebradas.

d) Fernando foi de navio para Portugal.

2. Derive substantivos abstratos a partir dos adjetivos e verbos abaixo:

ADJETIVOS VERBOS
triste Pensar
Mole fingir
Grande Lamentar
Esperto Correr
Leve Salvar
Nobre Compreender
Miúdo Deter
Rápido Reter
Difícil Adquirir
Veloz Decepcionar
Bela Inverter
Feia Conceder
Alegre Repetir
Feliz Pretender
contente admitir

________________________________________________________________________

GABARITO

Questão 1.

a)  Alberto – substantivo próprio, concreto; engenheiro, barragem, represa – substantivo comum concreto

b) saudade, alegria, tristeza, medo – substantivo comum abstrato

c) Mário – substantivo próprio concreto; telhado, telhas – substantivo comum concreto

d) Fernando, Portugal – substantivo próprio concreto; navio  – substantivo comum concreto

Questão 2.

ADJETIVOS VERBOS
Triste – tristeza Pensar – pensamento
Mole – moleza Fingir- fingimento
Grande – grandeza Lamentar – lamento, lamentação
Esperto – esperteza Correr – corrida, correria
Leve – leveza Salvar – salvação, salvamento
Nobre – nobreza Compreender – compreensão
Miúdo –miudeza Deter – detenção
Rápido – rapidez Reter – retenção
Difícil – dificuldade Adquirir – aquisição
Veloz – velocidade Decepcionar – decepção
Bela – beleza Inverter – inversão
Feia – feiura Conceder – concessão
Alegre – alegria Repetir – repetição
Feliz – felicidade Pretender – pretensão
Contente – contentamento Admitir – admissão

_________________________________________________________________________________

3. SUBSTANTIVO SIMPLES/COMPOSTO

No Roteiro 9, do nosso estudo, vimos sobre palavras simples e compostas. Só que lá estávamos falando de todos os tipos de palavras existentes dentro da Língua Portuguesa.

Aqui, vai nos interessar especialmente os substantivos. A ideia de simples e composto é a mesma apresentada no Roteiro 9:

Substantivo simples é aquele que é formado a partir de um só radical.

Ex: pé, flor, sol, sofá, tempo

Substantivo composto é aquele que é formado por mais de um radical.

Ex: pé-de-moleque, couve-flor, girassol, sofá-cama, passatempo.

Exercícios.

Sublinhe os substantivos simples e coloque entre parênteses os substantivos compostos existentes nas frases:

a) Henrique foi à feira e trouxe um cacho de banana-maçã.

b) Na festa, havia pão-de-ló, cocada, olho-de-sogra, baba-de-moça e goiabada.

c) Sei que é lindo o girassol, mas não abra a janela porque entram os pernilongos.

d) O porta-mala está tão cheio que foi difícil fechá-lo.

___________________________________________________________________________________

GABARITO

a) Henrique foi à feira e trouxe um cacho de (banana-maçã).

b) Na festa, havia (pão-de-ló), cocada, (olho-de-sogra), (baba-de-moça) e goiabada.

c) Sei que é lindo o  (girassol), mas não abra a janela porque entram os (pernilongos).

d) O (porta-mala) está tão cheio que foi difícil fechá-lo.

___________________________________________________________________________________

4. SUBSTANTIVO PRIMITIVO/DERIVADO

Também no Roteiro nº 9 estudamos sobre palavras primitivas e derivadas. Aqui, nos interessa especialmente os substantivos. A ideia de primitiva e derivada também é a mesma: primitivo – dá origem a outros; derivado – o que se origina de outro.

Portanto:

Substantivo primitivo – é aquele que não se origina de outro substantivo, mas dá origem a outros. Ex: pão, pedra, luz.

Substantivo derivado – é aquele que se origina de outros substantivos. Ex: padeiro, pedreira, luzeiro.

Exercícios

1. Forme substantivos derivados de:

pedra – ___________________      sol – _______________________

livro – ____________________      rio – _______________________

flor – _____________________      rei – _______________________

jardim – ___________________     banana – ___________________

mar – _____________________    máquina – ___________________

jornal – ____________________    dia – _______________________

2. Encontre os substantivos primitivos que dão origem aos derivados abaixo:

pobreza – ___________________    leiteiro – ______________________

porteiro – ___________________    paliteiro – _____________________

ansiedade – _________________    mangueira – ___________________

cavaleiro – __________________    peixeiro – ______________________

cachorrada – ________________    camponesa – ____________________

asneira – ___________________    casebre – ___________________

______________________________________________________________________

GABARITO – Questão 1

pedra – pedreiro, pedregulho, pedraria, pedrada sol – solar livro – livraria, livreiro     rio – riacho flor – florista, floreira rei – reino, reinado jardim – jardineiro    banana – bananeira, bananada, bananal mar – maresia, maremoto, marinheiro  máquina – maquinário jornal – jornaleiro, jornada dia – diarista, diário, diurno

Questão 2

pobreza – pobre; leiteiro – leite; porteiro – porta; paliteiro – palito; ansiedade – ânsia; mangueira – manga cavaleiro – cavalo; peixeiro – peixe; cachorrada – cachorro; camponesa – campo; asneira – asno; casebre – casa

__________________________________________________________________________________________

5. SUBSTANTIVO COLETIVO

Entre os substantivos, há os que indicam um conjunto de seres ou coisas da mesma espécie. São chamados de substantivos coletivos.

Veja os exemplos:

a)     O álbum continha fotografias antigas.

b)    A boiada passou pela estrada.

c)     A multidão avançou contra a polícia.

Os substantivos sublinhados designam um conjunto de seres da mesma espécie:

Álbum – conjunto de fotografias, de selos

boiada – conjunto de bois

multidão – conjunto de pessoas

Geralmente, o substantivo coletivo dispensa a enunciação da coisa ou seres a que se refere. No entanto, quando sua significação é usada para várias espécies de seres, devemos nomear o ser a que se refere.

Exemplo:    Uma junta de boi seguia pela estrada.       A junta médica examinou o doente.

Nos exemplos, o coletivo junta está acompanhado do ser a que se refere porque é usado para indicar conjunto de seres diferentes.

Há casos em que, também, se nomeia o ser a que se refere o substantivo coletivo, mesmo que ele apenas exista em função deste ser. É quando nossa intenção é realçar um determinado tipo dentro da espécie.

Exemplo:

Um enxame atacou as pessoas que estavam no campo.

Um enxame de abelhas africanas atacou as pessoas que estavam no campo.

Na 1a frase, nos referimos à abelhas, apenas. Na 2a. nos referimos a um determinado tipo dentro da espécie abelha.

A seguir, apresentamos substantivos coletivos mais usados:

album – de fotografias, de selos

alcateia – de lobos

arquipélago – de ilhas

atlas – de mapas reunidos em livro

arvoredo – de árvores

assembleia – de deputados, senadores, professores

bagagem – objetos de viagem

banda – de músicos

bando – de aves, ciganos, malfeitores

biblioteca – de livros

boiada – de bois

banca – de examinadores

cacho – de uvas, de banana

clero – de padres

cáfila – de camelos

cambada – de malandros, de caranguejo

cancioneiro – de canções, de poesias

caravana – de viajantes, de estudantes, de peregrinos

cardume – de peixes

congregação – de professores, de religiosos

corja – de vadios, de ladrões

cordilheira – de montanhas

coro – de anjos, de cantores

código – de leis

choldra – de gente ordinária

chusma – de gente, de pessoas

concílio – de bispos

conclave – de cardeais para eleição do Papa

constelação – de estrelas

década – dez anos

enxame – de abelhas

elenco – de atores, artistas

enxoval – de roupas

esquadra, armada – de navios de guerra

esquadrilha – de aviões

esquadrão – de soldados

feixe – de lenha, de capim

fauna – de animais de uma região

flora – de plantas de uma região

frota – de navios mercantes, de ônibus

filmoteca – de filmes

galeria – de quadros, de estátuas

grosa – 12 dúzias ou 144 unidades

hinário – de hinos, de música sacra

horda – de nômades, de bandidos, de invasores

junta – de bois, de médicos

júri – de jurados, pessoas que julgam

legião – de soldados, de demônios

malta – de desordeiros

magote – de pessoas

madeixa – de cabelos

manada – de bois, de elefantes, de cavalos

matilha – de cães de caça

milênio – mil anos

molho – de chaves

ninhada – de pintos, de filhotes

nuvem – de gafanhoto, insetos

orquestra – de músicos

penca, palma – de bananas

quadrilha – de assaltantes, malfeitores

ramalhete – flores

rebanho – carneiros, ovelhas

resma – 500 folhas de papel

réstia – de cebola, de alho

repertório – de peças teatrais, de músicas

século – cem anos

súcia – de velhacos, de desonestos

tripulação – de trabalhadores de navio ou de avião

turba – de pessoas em desordem

tropa – de cavalos, de burros

turma – de alunos, de trabalhadores

vara – de porcos

Exercícios

1. Reescreva as frases abaixo, substituindo a palavra em negrito, pelo substantivo coletivo correspondente, fazendo as alterações necessárias:

a) Os artistas da novela saíram atrasados.

______________________________________________________________

b) Os navios de guerra voltaram ao mar.

______________________________________________________________

c) Os jurados se reuniram na sala secreta.

______________________________________________________________

2. Preencha as lacunas com os substantivos coletivos convenientes:

a) Fui à ________________ e encontrei um bom livro para minha pesquisa.

b) As estrelas que formam a ___________________ do Cruzeiro do Sul são cinco, formando uma cruz.

c) A _________________de Cabral chegou ao Brasil em 1500.

d) A _________________ de aviões brasileiros sobrevoou a cidade durante muitas horas.

e) Dei um ________________ de rosas à minha mãe.

f) Ganhei um _____________ contendo belos hinos religiosos.

g) O ______________ de abelhas africanas zumbiam assustadoramente.

h) Naqueles rios encontram-se ______________ de peixes grandes.

i) A __________________ brasileira apresenta vegetação variada.

j) Grande _______________ de retirantes invadiu a cidade.

____________________________________________________________________

GABARITO

Questão 1: a) O elenco da novela saiu atrasado.

b) A esquadra voltou ao mar.

c) O júri se reuniu na sala secreta.

Questão 2: a) biblioteca     b) constelação    c) esquadra    d) esquadrilha     e) ramalhete     f) hinário      g) enxame          h) cardume

i) flora     j) multidão, caravana

___________________________________________________________________

LEITURA SUPLEMENTAR

BOM DE OUVIDO

Volta e meia a gente encontra alguém que foi alfabetizado, mas não sabe ler. Quer dizer, até domina a técnica de juntar as silabas e é capaz de distinguir no vidro dianteiro o itinerário de um ônibus. Mas passa longe de livro, revista, material impresso em geral. Gente que diz que não curte ler.

Esquisito mesmo. Sei lá, nesses tempos, sempre acho que é como se a pessoa estivesse dizendo que não curte namorar. Talvez nunca tenha tido a chance de descobrir como é gostoso. Nem nunca tenha parado para pensar que, se teve alguma experiência desastrosa em um namoro (ou em uma leitura), isso não quer dizer que todas vão ser assim. É só trocar de namorado ou namorada. Ou de livro. De repente, pode descobrir delícias que nem imaginava, gostosuras fantásticas, prazeres incríveis. Ninguém devia ser obrigado a namorar quem não quer. Ou ler o que não tem vontade. E todo mundo devia ter a oportunidade de experimentar um bocado nessa área, até descobrir qual é a sua.

Durante 18 anos, eu tive uma livraria infantil. De vez em quando, chegavam uns pais ou avós com a mesma queixa: “O Joãozinho não gosta de ler, o que é que eu faço?” Como eu acho que o ser humano é curioso por natureza e qualquer pessoa alfabetizada fica doida pra saber o segredo que tem dentro de um livro (desde que ninguém esteja tentando lhe impingir essa leitura feito remédio amargo pela goela abaixo), não acredito mesmo nessa história de criança não gostar de ler. Então, o que eu dizia naqueles casos não variava muito.

A primeira coisa era algo como “pára de encher o saco do Joãozinho com essa história de que ele tem que ler”. Geralmente, em termos mais delicados: “Por que você não experimenta aliviar a pressão em cima dele, e passar uns seis meses sem dar conselhos de leitura?”

O passo seguinte era uma sugestão: “Experimente deixar um livro como este ao alcance do Joãozinho, num lugar onde ele possa ler escondido, sem parecer que está fazendo a sua vontade. No banheiro, por exemplo.” E o que eu chamava de um livro como este, já na minha mão estendida em oferta, podia ser um exemplar de  O Menino Maluquinho, do Ziraldo, ou do Marcelo, Marmelo, Martelo, da Ruth Rocha, ou de O Gênio do Crime, do João Carlos Marinho.

(MACHADO, Ana Maria. Comédias para se ler na escola – prefácio. Editora Objetiva, Rio de Janeiro, 2001)

* * *

AUTO-AVALIAÇÃO

Assinale a única resposta correta:

1. Na frase: “Há flores e frutos no armário novo”, temos quantos substantivos?

a. (   ) 3        b.(   ) 2     c.(   ) 4       d.(   ) 1      e.(   ) 5

2. Assinale o substantivo abstrato:

a.(   ) bruxa     b.(  ) comida    c.(    ) ar    d.(   ) bondade    e.(   ) saci

3. Assinale o substantivo concreto:

a.(   ) dor      b.(   ) fé     c.(   ) ar     d.(   ) pobreza     e.(   ) lealdade

4. Qual o coletivo de lobos?

a.(   ) enxame     b.(   ) nuvem     c.(   ) alcatéia     d.(   ) cáfila

5. Qual o coletivo de aviões?

a.(   ) esquadra     b. (   ) esquadrilha     c.(   ) vara      d.(   ) matilha

6. Combine a coluna da direita com a coluna da esquerda:

a. alcatéia                              1.(   ) cabelos

b. atlas                                   2.(   ) montanhas

c. cordilheira                        3.(   ) mapas

d. coro                                    4.(   ) camelos

e. elenco                                5.(   ) plantas de uma região

f. enxame                              6.(   ) estrelas

g. cáfila                                  7.(   ) artistas

h. cardume                            8.(   ) veículos

i. esquadra                            9.(   ) lobos

j. fauna                                10.(   ) peixes

l. filmoteca                          11.(   ) abelhas

m. flora                                12.(   ) navios de guerra

n. frota                                 13.(   ) animais de uma região

o. clero                                 14.(   ) chaves

p. constelação                    15.(   ) padres

q. madeixa                          16.(   ) filmes

r. molho                               17.(   ) cantores

s. ramalhete                        18.(   ) rosas

t. corja                                   19.(   ) viajantes

u. caravana                         20.(   ) vagabundos

______________________________________________________________________________________

Compare suas respostas com  o gabarito abaixo e atribua 4 pontos para cada resposta correta. Se você conseguiu 80 pontos, parabéns!  Caso contrário, verifique as instruções das ATIVIDADES SUPLEMENTARES.

GABARITO

1. a       2. D      3. C     4. C        5. B

Questão 6:

1. (q)    2. (c)      3. (b)    4. (g)     5. (m)     6. (p)     7. (e)     8. (n)       9. (a)      10. (h)

11. (f)   12. (i)    13. (j)    14. (r)   15. (o)     16. (l)    17. (d)   18. (s)      19. (u)      20. (t)

______________________________________________________________________________________

BIBLIOGRAFIA

CUNHA, Celso Ferreira da. Gramática da Língua Portuguesa. 12a. Edição, Rio de Janeiro, FAE, 1992.

VERÍSSIMO, Luis Fernando. Comédias para se Ler na Escola, Rio de Janeiro, Editora Objetiva, 2001.

45 Comments

Leave a Reply