Ensino FundamentalTEXTOS PARA INTERPRETAÇÃO

TEXTO PARA INTERPRETAÇÃO 49 – SAIA JÁ DA JAULA, BICHO HOMEM! (Nível Fundamental)

By 4 de maio de 2013 No Comments

TEXTO PARA INTERPRETAÇÃO 49 – SAIA JÁ DA JAULA, BICHO-HOMEM!  (Nível Fundamental)

SAIA JÁ DA JAULA, BICHO-HOMEM!

1.          Existem atualmente 193 espécies de macacos e símios, todos com o corpo coberto de pelos, com uma única exceção: o símio pelado que, modéstia à parte, intitulou-se HOMO SAPIENS.

2.          Quando as tensões da vida moderna, do progresso que criou, tornam-se fortes demais, o bicho-homem refere-se às grandes cidades onde vive como a selva de concreto. Nada mais errado: nos seus ambientes naturais os animais selvagens não se mutilam, não atacam os próprios filhos, não sofrem de úlceras de estômago, não se tornam fetichistas, não sofrem de obesidade, não matam a não ser para comer, não sofrem desvios sexuais, nem ficam neuróticos. Presos numa jaula, os animais passam a ter um comportamento estranho, igual ao do homem na cidade grande.

3.          Em resumo: nossas cidades não são uma selva de asfalto e concreto; são enormes zoológicos humanos, onde vivemos em condições que não são naturais para a nossa espécie, e onde corremos perigo também de enlouquecer de tensão, de adoecermos de civilização, pelo nariz, pela boa, pelos ouvidos.

4.          Você, por exemplo, respira de 20 mil a 30 mil vezes por dia, inspirando de cada vez mais ou menos meio litro de ar. Cerca de 30 por cento desse ar enche 350 milhões de minúsculos alvéolos, no pulmão, onde o sangue troca o venenoso dióxido de carbono por oxigênio, sem o qual a vida é impossível.

5.          Nas grandes cidades, o ar contém centenas de toxinas que prejudicam o desenvolvimento normal das células. Os gases que escapam dos veículos, a gasolina, por exemplo, impedem a perfeita oxigenação do sangue e provocam alergias, doenças do coração, câncer. O monóxido de carbono é assimilado pelos glóbulos vermelhos 200 vezes mais depressa que o oxigênio. E o chumbo, derivado do tetraetileno de chumbo, é prejudicial acima de 100 milionésimos de grama por metro cúbico de ar, concentração que já existe em qualquer cidade de tamanho médio no Brasil.

6.          E a água que bebemos? Os rios, principais fontes de água potável, são usados como canais de esgoto e de despejo. A vida animal, na maior parte dos rios que abastecem as grandes cidades, já não existe, porque a vida é impossível, não está para peixe. Esse líquido clorado, recuperado, da nossa era higiênica, tem pouca coisa a ver com a água potável, de nascente, digna de peixe e de homem. Estações de tratamento, filtros, toda a química disponível não consegue esconder que estamos bebendo um liquido que supre as nossas necessidades vitais, mas que é chamada de água apenas por hábito.

7.          Além de tudo, estamos ficando surdos. Em cada cem cariocas (ou paulistas, ou gaúchos) dez têm problemas de audição e cinco foram vítimas da poluição sonora. Hoje em dia há duas vezes mais pessoas surdas que há dez anos passados e a gente da cidade só ouve sons a partir de 30 decibéis, 10 na melhor das hipóteses, enquanto que o homem do campo ouve ruídos de um decibel. Dor de cabeça, fadiga excessiva, nervosismo, distúrbios de equilíbrio, afecções cardíacas e vasculares, anemias, úlceras de estômago, distúrbios gastrintestinais, neuroses, distúrbios glandulares, curtos-circuitos nervosos, tudo isso pode ser provocado pelo barulho das grandes cidades. E nem é preciso que seja barulho excessivo, porque, na maior parte das vezes, ele já é incômodo e contínuo.

8.          Enjaulados, enquanto não fizermos desse zoológico um jardim mais verde, mais limpo, mais saudável, menos neurótico, a única solução é sair de vez em quando para respirar ar puro, beber água de verdade, ouvir o silêncio, sentir os cheiros da vida e reconquistar a tranquilidade perdida.

(LUIZ LOBO, Revista Turismo em Foco, Ano IV, n° 19)

I – Compreensão das palavras do texto.

A. Complete as frases com a palavra adequada:

1. Símio é o mesmo que __________________

2. A expressão “de símio” equivale ao adjetivo  ______________

3. Retire do 2o. parágrafo a palavra que significa “privar de, cortar algum membro do corpo”: __________________

4. Substitua a expressão “minúsculos alvéolos” (par. 4) por outra equivalente: _________________________

5. Água poluída é água __________________________________________

6. Água potável é água __________________________________________

7. Água clorada é água __________________________________________

8. Água recuperada é água ______________________________________

9. No parágrafo 6, lemos”: “… supre as nossas necessidades vitais”. Diga a mesma coisa com outras palavras: __________

10. Asfalto é um tipo de _________________ usado em ruas e estradas.

 

B. Procure, no 4o. e 5o parágrafos, as palavras ou expressões que correspondam aos significados abaixo:

11. Um dos elementos gasosos do ar, indispensável à vida _____________

12. Gás nocivo que expelimos no ato da expiração ____________________

13. Processo pelo qual o organismo efetua a troca do gás venenoso (dióxido de carbono) pelo oxigênio _______________

14. Substâncias venenosas que tornam o ar poluído ___________________

15. Hipersensibilidade do organismo humano a determinadas substâncias e agentes físicos _______________________

16. Unidade fundamental que compõe os seres vivos _________________

 

C. Dê o significado das palavras em negrito de acordo com a frase:

17. Acreditarei, depois que você me apresentar um fato concreto.

18. O edifício foi construído todo em concreto.

19. Ele inspirou mais ou menos meio litro de ar.

20. Aquela cena inspirou o poeta.

21. Aquele menino está com um comportamento estranho.

22. Um estranho bateu à minha porta, hoje, pela manhã.

 

II – Compreensão da mensagem do texto.

D. Responda de acordo com o texto:

23. Quem é, segundo o autor, o único símio que não tem o corpo coberto de pelos? ________________

24. O nome de HOMO SAPIENS (par. 1) foi dado a esse símio:

a. (   ) pelo próprio homem      b. (   ) pelo autor do texto         c. (   ) por um poeta

25. A expressão  “modéstia à parte” (par. 1) significa que:

a. (   ) o autor não faz parte do grupo de Homo Sapiens.

b. (   ) o autor também se considera um Homo Sapiens.

c. (   ) a modéstia é um animal que não faz parte do grupo Homo Sapiens.

26. “Ouvir o silêncio” (par. 8) é uma expressão:

a. (   ) absurda           b. (   ) poética         c. (   ) lógica

27. Enumere três fatores que, segundo o autor, são determinantes de tensão da vida moderna.

28. O autor concorda com a expressão “selva de concreto”?

a. (   ) sim          b. (    ) não       c. (   ) em parte

Transcreva a parte do texto que justifica sua resposta.  ________________________________

29. Identifique, no texto, os parágrafos em que são abordados os seguintes assuntos:

a. poluição do ar  _______________________

b. poluição da água _____________________

c. poluição acústica ______________________

30. Quais as soluções apontadas pelo autor para combater a tríplice poluição?

________________________________________________________________

GABARITO

Questão A :

1. macaco         2. Simiesco     3. Mutilar     4. Minúsculos compartimentos ou cavidades       5. água suja

6. Água que se pode beber      7. água que contem cloro       8. água que passou por tratamento

9. satisfaz ou preenche as exigências básicas e indispensáveis à vida

10. revestimento ou material

Questão B:

11. oxigênio    12. dióxido de carbono   13. oxigenação    14. toxinas    15. alergia   16. Célula

Questão C:

17. real, verdadeiro          18. Cimento armado        19. Introduziu no pulmão, aspirou

20. estimulou                    21. Esquisito                    22. Desconhecido

Questão D:

23. o homem      24. A      25. B     26. B 

27. A agitação das grandes cidades; a falta de contato com a natureza; as diversas formas de poluição.

28.  Não.  No 3o. parágrafo ele diz: “Em resumo: nossas cidades não são uma selva de asfalto e concreto; são enormes zoológicos humanos, onde vivemos em condições que não são naturais.” Em outras palavras, o ser humano vive preso nas grandes cidades. Vive estressado; respira, dorme e come mal, tem medo de tudo e de todos.

29. a – Parágrafos 4 e 5          b – Parágrafo 6          c – Parágrafo 7

30. a) tornar as cidades mais verdes, isto é, plantar mais árvores;

      b) conservar as cidades mais limpas e saudáveis

      c) respirar ar puro (não poluído por fumaças e outros gases poluidores)

      d) beber água de verdade, isto é, potável

      e) ouvir o silêncio, isto é, acabar com o barulho desnecessário