Ensino MédioTEXTOS PARA INTERPRETAÇÃO

TEXTO PARA INTERPRETAÇÃO 14 – Brasil (Nível Médio)

By 2 de setembro de 2011 13 Comments

TEXTO PARA INTERPREÇÃO 9 – BRASIL (Nível Médio)

“Nenhum texto é uma peça isolada, nem a manifestação da individualidade de quem o produziu. De uma forma ou de outra, constrói-se um texto para, através dele, marcar uma posição ou participar de um debate de escala mais ampla que está sendo travado na sociedade.”

(FIORIN, José Luiz / SAVIOLI, Francisco Platão. Para entender o texto: leitura e redação.

17ª edição, Editora Ática, 2007)

BRASIL

(Cazuza, George Israel e Nilo Romero,LP Vale Tudo, Som Livre, 1988)

Não me convidaram

Pra essa festa pobre

Que os homens armaram

Pra me convencer

A pagar sem ver

Toda essa droga

Que já vem malhada

Antes d’eu nascer

Não me ofereceram

Nem um cigarro

Fiquei na porta

Estacionando os carros

Não me elegeram

chefe de nada

o meu cartão é uma navalha

Brasil

Mostra a tua cara

Quero ver quem paga

Pra gente ficar assim

Brasil

Qual é o teu negócio

O nome do teu sócio

Confia em mim

Não me sortearam

A garota do fantátisco

Não me subornaram

Será que é meu fim?

Ver tv a cores

Na taba de seu índio

Programada pra só dizer sim

Grande pátria desimportante

Em nenhum instante

Eu vou te trair

_________________________________________________________

Estudo do Texto

1. Qual o significado das palavras abaixo de acordo com o texto da poesia?

a) armaram

b) malhada

c) subornaram

2. Segundo a visão dos autores e considerando o conteúdo geral da letra, quem estaria reclamando de não ter sido convidado para a festa?

3. A que festa o poeta se refere quando afirma: “Não me convidaram pra essa festa pobre…”?

4. A que homens o poeta se refere quando afirma: “…os homens armaram…”?

5. O que pode significar os versos: “…a pagar sem ver / toda essa droga / que já vem malhada / antes d’eu nascer…”?

6. Apesar do poeta não ter sido convidado para a festa, ele ficou nos arredores do local estacionando os carros. Explique o significado dos versos: “…não me ofereceram / nem um cigarro / fiquei na porta / estacionando os carros…”

7. Explique o significado dos seguintes versos: “o meu cartão de crédito / é uma navalha”.

8. Observando a segunda estrofe, o que significa o apelo feito no ultimo verso: “confia em mim”?

9. Nos três últimos versos da 3a. estrofe, há uma crítica à televisão. Que crítica é esta?

“ver tv a cores / na taba de seu índio / programada pra só dizer sim”

10. Explique o paradoxo: “Grande pátria desimportante”

______________________________________________________________

Gabarito

Questão 1.

a)      planejaram, organizaram

b)      que tem manchas

c)      induziram ou levaram alguém, mediante recompensas ou promessas, a não cumprir o dever ou a praticar ações ilegais ou injustas. No texto, o poeta constata que não foi subornado e que por causa disso acha que será o seu fim como cidadão.

Questão 2. O povo que vive no Brasil, ou seja, os brasileiros.

Questão 3. Refere-se à festa da democracia, ou melhor à eleição que aconteceu com o povo pedindo “Diretas já!”. O que aconteceu foi a eleição de Tancredo Neves pelo Congresso Nacional, sem a participação do povo como é feito atualmente. Fala em festa pobre porque o poeta considera que não houve participação popular nessa escolha.

Questão 4. O poeta considera que não havendo participação popular na escolha do Presidente da República, essa decisão, definida por um pequeno grupo de pessoas (Congresso Nacional) era uma farsa planejada com o intuito de esconder algo do povo.

Questão 5. Toda festa requer gastos, sejam financeiros, sejam materiais, sejam pessoais (esforço físico, psicológico, mental). Alguém tem que pagar por isso. O poeta reclama que o pagamento por uma festa com defeito (com manchas) foi feito pelo povo e seus descendentes.

Questão 6. A festa foi feita, mas o povo não participou dela. Apenas ficou como espectador, trabalhando para manter o país organizado.

Questão 7. Na década de 80, o Brasil enfrentou uma inflação profunda na economia. O dinheiro brasileiro perdia seu valor diariamente: era como uma navalha que feria o poder de compra do consumidor. Por isso o poeta usa a expressão: “o meu cartão de crédito é uma navalha…”. Cada vez que alguem ia às compras sentia no bolso o corte do valor do dinheiro.

Questão 8. Pede que a nação constituída e organizada confie em seu povo para resolver os problemas.

Questão 9. A influência da televisão na cultura e opinião das pessoas através dos programas que, às vezes, não eram isentos, isto é, mostrava apenas um lado do fato, da notícia.

Questão 10. Pátria grande em tamanho territorial, mas sem importância política diante do mundo ou mesmo diante de alguns brasileiros.

13 Comments

  • Jaqueline disse:

    Muito bom, me ajudou no estudo para prova, que vai cair interpretação de texto.

  • Ronilda disse:

    (Monte Santos de Minas/MG) Nossa, amei! Parabéns!
    Ronilda

  • DALIA disse:

    MUITO BOM… MESMO

  • Roberto disse:

    A resposta para a questão 7 não passa por crise econômica, necessariamente… É uma metáfora, onde o “cartão de crédito” representa o poder de compra virtual que virou moda no Brasil, você compra sem ter. A navalha aí é a que o trombadinha usa para também “ter sem poder”… Navalhada no bolso a gente sempre sente! XD

    • admin disse:

      Olá, Roberto! É essa a riqueza da nossa língua: os vários pontos de vista que um texto oferece aos seus leitores. Entretanto, é preciso levar em consideração a época em que o texto foi escrito para chegarmos a uma interpretação mais próxima da mensagem que o poeta quis passar. As figuras de linguagem são usadas pelos poetas/escritores para: cifrar uma mensagem; esconder ou publicar uma verdade de forma velada; para descortinar a poesia existente nas coisas, pessoas, lugares.

  • Taynã disse:

    Gostei da sua resposta sobre a alternativa 7. Pôxa, me ajudou muito. Valeu!

  • Darlene disse:

    (Belém/PA) Eu sou professora de língua portuguesa, estou procurando sugestões de bons textos para interpretação, para oferecer aos meus alunos uns bons estímulos e este seu trabalho era realmente o que eu buscava. É um ótimo trabalho, parabéns! Mas gostaria que postasse textos de músicas (MPB) principalmente aquelas cujo tema seja histórico e político.

  • carina disse:

    TINHA UMA ATIVIDADE IGUALZINHA. ME AJUDOU MUITO!

  • Analia Ribas disse:

    (São Miguel das Missões/RS) Adorei a atividade. Gostei muito. Parabéns!

  • Adilson Pontes disse:

    É aqui que percebemos porque a literatura de alto-ajuda faz tanto sucesso nos dias de hoje, porque as músicas de sucesso atual não ensinam a pensar, ensinam apenas a balançar o corpo. Isso é bom, eu sei, mas precisamos usar nosso senso crítico em muitas ocasiões de nossa vida. E, para isso, temos que ter o nosso raciocínio lógico desenvolvido. Se não, não saberemos nos defender dos problemas da vida que nos cercam. E quando menos esperamos, estamos agarrados a uma literatura de alto-ajuda, por conta de não termos desenvolvido nosso senso crítico e não termos aprendido dizer sim ou não, na hora certa.

  • Letícia Carvalho disse:

    Muito bom!Me ajudou com meu dever de casa!

  • Eduardo disse:

    Obrigado! Me ajudo muito no trabalho avaliativo.

  • tienda moda italiana disse:

    He leido vuestro post con mucha atencion y me ha parecido practico ademas de facil de leer. No dejeis de cuidar esta web es buena.
    Saludos

Leave a Reply